sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Practice makes Perfect

Resultado de imagem para tocando violino

Já vi escolas de idiomas recusarem candidatos a professores por serem mais velhos que a maioria.
Pensam que estes profissionais podem estar ultrapassados e acomodados em suas práticas pedagógicas.
Porém, esquecem-se que é nesta fase que profissionais podem notar com mais precisão o que dá mais certo pela longa experiência em aula.
É neste momento que é possível escolher as maneiras mais significativas e envolventes para estimular alunos a progredirem em seus estudos.
Como diz o velho ditado "Practice makes Perfect". (A prática gera a perfeição).


Boa aula!!

Um grande abraço,

Maria de Fátima
profa de inglês e consultora pedagógica
marifa2006@terra.com.br

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

2018



Resultado de imagem para 2018


Sejam bem-vindos ao ano de 2018!! E que ele traga muitas felicidades e conquistas!!
As escolas de idiomas já estão se manifestando com suas campanhas de marketing para atrair cada vez mais alunos.
Sim, precisamos de algum tipo de marketing para que outras pessoas possam conhecer nossos serviços e fiquem interessadas neles.
Tenho observado como professora particular de inglês que não basta oferecermos um curso de alta qualidade para nossos alunos. É preciso gerar resultado, e este não é percebido apenas em testes mas sim na vivência em que o indivíduo está inserido.
Por exemplo, uma aluna minha sentiu seu progresso quando ao realizar uma viagem ao exterior precisou trocar de quarto no hotel devido às más instalações oferecidas.
Uma outra aluna percebeu seu próprio progresso ao interagir com uma estrangeira e entender sua palestra numa Conferência.
Outra aluna sentiu-se realizada com o curso a ter suas dúvidas esclarecidas.
É este sentimento de realização, de confiança que faz com que o aluno possa recomendar o curso a alguém.
É a chamada propaganda "boca-a-boca", que é a melhor de todas.
No entanto, ela acontece com mais frequência com "formadores de opinião", ou seja, com os alunos que adoram compartilhar e influenciar seus colegas positivamente.

Feliz início de curso!! E muitos retornos!!!

Um grande abraço,

Maria de Fátima
profa de inglês
marifa2006@terra.com.br

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Aula demonstrativa de inglês via skype



 Resultado de imagem para skype

Caro(a) professor(a) de idiomas e estudante de inglês,

Gostaria de convidá-lo(la) a participar de uma aula de inglês básico via Skype de 30 minutos gratuitamente.
Nela compartilho ideias que tenho usado com meus alunos e que têm funcionado.
A aula será individual.

Agende sua aula!! Será um prazer compartilhar ideias com você!!

Um grande abraço,

Maria de Fátima
Professora de inglês e consultora pedagógica

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Becoming a private English teacher

 Becoming a private English teacher

 Resultado de imagem para become a private english tutor

Although I’ve graduated in Fine Arts, I started working as a private English teacher by giving remedial work to primary and secondary students.
In fact, I hadn’t planned becoming an English teacher at that time. I was encouraged by my eldest sister to start teaching and I am very grateful for her. Without noticing it, she pushed me through a wonderful and fascinating career.
As I had no experience then, I started giving classes to one student only; I will call him “Gustavo” in order to keep his privacy. I can tell you I was a bit anxious and worried as I always considered teachers very responsible and persuasive professionals. “Gustavo” would come to my classes and trust me as a guide, a facilitator or even a “doctor” who could prescribe miraculous formulas to help him overcome his difficulties. That’s really a great responsibility!!!
However, I could also feel like helping people who didn’t master the language the way I did and being an upper-intermediate student made me aware of a chance I would have to study the language more deeply.
Without taking part in any teacher’s training or learning any methodology, I had to start teaching by myself “listening” to my good sense and experience as a student. Therefore, I began sticking to an idea that has helped me in my practice, since the very first class I gave: “PUT YOURSELF IN THE STUDENT’S SHOES”.
I could learn beforehand that “Gustavo”’ s mother would like him to take remedial classes in English with a private teacher, due to his low grades at school. According to his mother, he was really having a hard time at school and she wouldn’t like him to fail the 5th grade. The place he was studying was a very well known and strict school in São Paulo.
The teachers there were too demanding and the students had to work really hard in order to follow the course.
I was told that in the 5th grade, the coordinators separated the classes into two groups: one with students who had notions of English and the other one with students who were already studying in language schools.
Gustavo belonged to the group which had never studied English and it seemed the school didn’t give a chance to that category.
He was facing difficulties as his teacher took it for granted that the students in his group had already got the ability to master basic concepts of the language.
Based on this information  which I got by talking to his mother and to him, I decided to plan a strategy to help him survive and “fight” against that pressure he was suffering.
I became his partner, a more experienced student who would join and  try to understand him in order to help him become “stronger”,  a “higher achiever”.
First, I asked him to show me all the tests he had done so that I could analyze  the kind of exercises the teachers there asked him to do, how they evaluated him and in which parts he was making mistakes.
By doing so, I planned lots of extra exercises for him, explaining to him how to build up sentences, questions, learn new words, making associations, etc. At once I could notice he was a shy student, and most of his doubts were kept because he was afraid of asking his teacher at school a question about the subject. He didn’t feel comfortable in that class and solving his doubt in front of his classmates would embarrass him even more.
I remember making him do lots of exercises with previous explanation, of course, and could help him trust me and in what I was telling him to do. Gustavo was so amazed by what he was doing that he got very proud of himself by counting pages and pages of intensive practice and noticing he was learning.
Words fail me to describe the way I felt when I saw him at my gate with a huge smile on his face waving his latest test at school with a “B” marked on the top of the first page!!!!
BINGO!!!!! Not only had my strategy worked but also had provided me with lots of students from that school: Gustavo’s friends and colleagues who had already gone through the same problem.
Gustavo was my very first student and my potential client, my “advertising agent”!
That’s why I keep telling my teacher-colleagues when I run courses for them: “Don’t worry if you have only one student…he/she may bring a thousand of students for you!!!!!! If you deserve them!!!!!”
Then, teachers usually ask me “HOW?” How can I deserve the students I have? How can I make them interested in my classes? How can I make them achieve good results?”
As it was already mentioned in chapter “A”, avoiding the “take it for granted” approach can be a first step. We can’t expect students to behave , to enjoy or to want something without previous research about their interests..
For example, if the aim of that school where Gustavo studied was to teach students English, it failed. Most children in those classes looked for remedial work outside the school. It seemed the educators in that school even encouraged students to do so. Their philosophy was “this is our programme…you have to follow it no matter what!”
This inflexibility caused a respected reputation for that place, however, where people started believing that as the course they ran was very demanding, students would come up with the best results. It is amazing to see how lots of schools work like this!
I am not advocating that teachers should be lenient and forget principles such as discipline and hard work, but what I mean is that professionals should be more aware of what their students need and want.
Becoming a private teacher has helped me listen to my students more carefully, to their fears, anxiety and frustrations. It helped me get closer to them and elaborate from tailor-made approaches to more general strategies that might be useful to other learners.
 “Putting yourself in the student’s shoes” is one of the best techniques I’ve ever learned in my teaching experience. Once you try to put yourself in the students’ place, you learn from them what they expect from the course, what they need to do so that they can achieve what they want.
In Gustavo’s case, for example, I became a kind of coach for him, to prepare him for a big task: learn English grammar in order to survive at a big and “respectable” school. And we did it!!!
From my experience, I can see professionals missing great opportunities with their students for lack of learning from each other and identifying clear goals.
Processes sometimes become even a burden because the dialogue between teachers and students is not clearly set. Teachers think about “A”, students  think about “B”, coordinators think about “C” and sometimes it’s difficult to work on a common goal if the members speak different languages or, what is worse,  don’t speak to each other at all.
Speaking a language has a lot to do with the ability to communicate and trying to teach it without much communication among the members involved can bring failure, too much pressure, misunderstanding and disappointment.
However, if teachers really want to listen to their students and figure out solutions to possible problems, there might be a way.
If teachers really understand their students, and in spite of having a larger group can identify each one as a person and not as another number on their class roll a great step ahead can be taken.


Have a nice class!

Best regards,
Maria de Fátima
English teacher
marifa2006@terra.com.br 


segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Você pode ficar fluente no inglês!....

VOCÊ PODE FICAR
FLUENTE NO
INGLÊS!...
Resultado de imagem para The first man on the moon

ACREDITE!...
Recordações de uma professora de inglês Maria de Fátima Pereira de Almeida
2017

Resultado de imagem para family studying
Fui criada no meio de pessoas que sempre viram o estudo como fonte de prazer e entretenimento. Mesmo diante de
dificuldades, nos ajudavam uns aos outros
e a lição de casa ou a preparação para uma prova tornava-se uma grande brincadeira!
Sempre rodeada de revistas e livros, aos 6 anos de idade fiquei fascinada ao receber
de meu pai um fascículo comemorativo do
Resultado de imagem para a girl


1º homem na lua! Ao escutar encantada as

vozes dos astronautas, pensei:_ “Gostaria de ser astronauta também”... “ Êpa”... “estão falando em inglês”...observei...

 “Logo, para tornar-me astronauta preciso falar inglês”...constatei.
Querer ser astronauta foi a primeira admiração e motivação em relação ao idioma que tive.
Fiquei desde então, atenta a tudo que estivesse relacionado ao inglês.
Na escola, adorei ter aprendido a canção
“My Bonnie”
Apesar de não saber ao certo a letra da música, sabia que tinha a ver com um
barquinho e o som da música lembrava o
movimento do mar. Era divertido cantar a canção com a turma da escola!!!
Por incrível que pareça, essa foi a única recordação marcante do inglês entre os 6 e 10 anos de idade.
O inglês não era lecionado da 1ª à 4ª série.

Neste intervalo, entretanto, pude ter contato com o inglês através dos “bolachões”, dos discos de vinil de minhas irmãs mais velhas, e neles vinham as letras das músicas na contra-capa.
Resultado de imagem para vinyl records

Alguns desenhos animados eram exibidos em inglês na TV, o que chamavam muito a minha atenção.

Folheava livros em inglês de minhas irmãs e achava tudo muito interessante apesar de não entender muita coisa.
Ao ingressar na 5ª série, senti um friozinho na barriga, era o início do antigo “ginásio”e eu aguardava a aula de inglês com grande ansiedade.

Lembro-me mais ou menos de um diálogo que precisava decorar:
“_ Hi, I´m Vicky!”
“_Hello, I´m Peggy!”
“_ Are you fine?”
“_ Yes, I am.”
“_ Ok, Let´s sing!”
“_All right!”
Gostei muito do diálogo mas o restante do curso foi muito entediante, com um livro
adotado que fazia com que verificássemos
as respostas dos exercícios através de uma máscara de plástico.
Era divertido no começo, mas depois ficou algo muito chato mesmo.

Lembro-me de ter dificuldades em assimilar o inglês no ginásio e tudo era muito nebuloso.
Parecia que estudar inglês era “difícil” e cinzento.

Resultado de imagem para bored girl
Ao iniciar o 2º grau não tive aulas de inglês até o 3º ano, nível que exigia preparo para o vestibular.

Como fiquei 2 anos com o inglês adormecido, foi difícil acompanhar a
metodologia da professora que usava
textos em inglês para lermos em voz alta com a tradução simultânea, além dos
longos exercícios de gramática para casa.
A única estratégia positiva neste ensino foi a de agrupar os verbos irregulares por sons similares, como por exemplo: 
Let  let  let
                  Put  put put
Cut    Cut   Cut 
Bring brought brought
Buy bought bought Leave left left

Nos três primeiros exemplos, os verbos têm a mesma forma (básica/passado 
simples/ particípio passado) e nos outros
exemplos o passado simples tem a mesma forma que o particípio passado).
Foi a única forma que encontrei para memorizar os verbos irregulares em inglês e a utilizo até hoje com meus alunos.

O 3º ano do 2º grau foi um grande marco para mim, pois foi quando comecei o curso de inglês numa escola especializada em São Paulo.
Como sempre gostei do inglês as dificuldades encontradas no colégio não foram empecilhos para que eu me sentisse motivada e com vontade de fazer o curso até o último estágio.
“Fiz a festa!!” mesmo!!
Resultado de imagem para English classes

Adorava todas as atividades, dificilmente faltava às aulas, além de frequentar a biblioteca, teatro e cinema para complementar os estudos.
As professoras eram excelentes e exigentes e eu procurava entender, estudava e treinava bastante. Tinha vontade de aprender e aproveitava as boas intenções das “teachers”.
Lembro-me do exato momento que comecei a ficar fluente...
Foi quando comecei a ler “readers” (livrinhos de leitura simplificada em inglês) e discutir as histórias em aula.
Resultado de imagem para readers
Como as referências de leitura já estavam em inglês, ficava mais fácil concentrar-me em estruturas e vocabulário acessíveis para que eu pudesse contar a história.
Comecei a criar o hábito de visualizar as imagens sugeridas pelos livros, e não traduzir palavra por palavra. Quando estava escrita a palavra “house”, por exemplo, visualizava a “house” e não traduzia para a palavra “casa”.
“The boys were playing in the garden” eram visualizados e a frase não era traduzida para o português.
Além das discussões para verificar o entendimento da história, podíamos expressar nossas opiniões e interpretações quanto ao texto.
Era muito gratificante poder organizar os pensamentos em inglês de forma interessante e envolvente.

Outro hábito que adquiri enquanto frequentava o curso era o de “caminhar pensando em inglês”...
Como tinha um bom caminho a percorrer do ponto de ônibus até a escola, ia organizando em minha mente ideias, comentários ou algo sobre a rotina em inglês.
Resultado de imagem para walking alone
Poderiam ser até frases simples, mas era um exercício bastante significativo para a comunicação e expressão.

Como apreciava muito a biblioteca da escola, costumava ler revistas, jornais e livros em inglês que não eram assustadores por ter usado uma estratégia que até hoje recomendo a meus alunos.
A de “connect the dots!” (ligue os pontos), ou seja, quando estiver lendo um texto em inglês, leia fluentemente, conectando os pontos; ao ler uma linha e se deparar com uma palavra desconhecida, não se importe, “pule” a palavra e siga em frente. Faça isso até o final do texto e tente entendê-lo como um todo.

Se tiver curiosidade ou necessidade em saber o significado das palavras desconhecidas, volte a ler o texto e procure adivinhar o significado , conferindo em seguida com um bom dicionário.
Esta leitura pelo contexto ajudará você a ser fluente na interpretação e a verificação do significado irá auxiliar você a ampliar o vocabulário.
Resultado de imagem para films
Na época em que eu era estudante não existiam tantos recursos como hoje, mas mesmo assim gostava de assistir a peças de teatro de grupos ingleses e filmes, sem ter a expectativa de entender muita coisa.
Se conseguisse entender 20%, 30% no início do curso, já ficava contente.
Digo até hoje a meus alunos para aproveitarem os vários recursos existentes atualmente, mesmo se for para entender “um pouco”.
Se você, por exemplo, assistir a um filme em inglês sem legenda e conseguir entender uma palavra ou frase, já é lucro!!! Comemore!!!

Às vezes as exigências internas do aluno, principalmente do adulto, são tantas que ele/ela acaba se esquecendo desses pequenos prazeres e detalhes em entender algo de um filme ou de uma música.
Se quiser aprofundar-se mais no significado, assista a um filme com a legenda em inglês, leia a letra de uma música...é muito divertido e construtivo.

Uma prática muito interessante também que costumava ter em meus cursos era a de escolher um tópico e fazer uma pequena apresentação em inglês. Era um desafio prazeroso e envolvente.
Com toda esta experiência como estudante de inglês pude conhecer como professora métodos diferentes e posso hoje depois de  trinta anos lecionando alunos de idades variadas perceber que:

1)           Alunos precisam se auto motivar e procurar um curso/aula que se encaixe ao seu perfil. (Existem muitos métodos diferentes)
É como se você fosse a um banquete e escolhesse o melhor, o que lhe apetece.

2)           Alunos precisam comemorar as pequenas vitórias e se encantar com as pequenas descobertas.
Quando você estiver no nível Básico I e conseguir entender algo da canção
“ Hello, Goodbye” dos Beatles,
Parabéns! Continue assim!!Resultado de imagem para little victories


3)           Alunos precisam traçar um objetivo, mas como consequência e não como parte principal do curso.
Por exemplo, se o seu destino é o exame do FCE, ou uma promoção no trabalho, concentre-se no processo, “curta” cada etapa e tenha o “gol” como consequência da dedicação.

Resultado de imagem para Carl Lewis

Como costumava dizer o ex-atleta Carl Lewis “ Quando estou competindo concentro-me na corrida e não na medalha” 
Por isso, caro aluno, estudar inglês é muito legal, prazeroso e pode trazer muitos retornos!!

Os relatos acima foram apenas sugestões para inspirá-lo, motivá-lo a continuar seus estudos.
              Boa aula!!
Um grande abraço,
Maria de Fátima
 marifa2006@terra.com.br



   



The Xmas Game





Resultado de imagem para Santa Claus 

THE XMAS GAME

An enjoyable game to be played with your family or friends at Christmas.
Elaborated by Maria de Fátima Pereira de Almeida
English teacher and pedagogical consultant.




















INSTRUCTIONS


1)    If you got this game, you will be the leader.
2)    Fill a balloon with air and play some music (preferably Xmas songs; choose a cheerful one).
3)    The participants in the group will pass the balloon one to the next one by the sound of music.

4)    If you stop playing the music, the participant who is holding the balloon will have to answer a quiz or do a task based on Xmas.
5)    To do so, the participant needs to choose a number from 01 to 10.
6)    You will read the question or task, according to the number chosen by the participant.

7)    If the participant can answer the quiz or perform the task well, he/she will get a point.
8)    If he/she can’t, he/she won’t get any point and the game goes on.
9)    At the end of the game, the one who has the highest score will get “The Christmas Certificate”.





Quizzes and tasks:

1)    Task: Sing a Christmas Carol.

2)    Quiz: Which animal pulls Santa Claus sleigh? (answer: the Reindeer)

3)    Task: Spell “MERRY CHRISTMAS”
Backwards.

4)    Quiz: When is Xmas Eve? (answer: December 24th)

5)    Task: Go to the window and shout:
“I wish you a Merry Christmas!”

6)    Quiz: What were the names of the three Wise men? (answer: Gaspar, Melchior e Balthazar)

7)    Task: Make believe you are Santa Claus; Laugh properly.

8)    Quiz:  Is there another name for Santa Claus? Which one?
(answer: yes, Father Christmas)

9)    Task: Draw (in the air) a Christmas tree with your left hand (if you are right -handed) or with your right hand (if you are left -handed).

10)  Quiz: How many days are there in December? (answer: 31 days)

























THIS IS TO CERTIFY THAT



........................................


 WAS THE WINNER OF THE XMAS GAME IN 2017!


CONGRATULATIONS!

 MERRY CHRISTMAS!

Resultado de imagem para Santa Claus 

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Lição de casa: assista a um filme no Netflix!



Resultado de imagem para netflix imagem



Ficar fluente num idioma requer muita, muita prática. Pensando nisso, tenho motivado alunos a assistirem aos filmes no Netflix como lição de casa e o resultado disso tem sido surpreendente!
Assisto ao filme primeiramente para recomendá-lo, podendo ser de três formas:o áudio em inglês com a legenda em português (para os mais iniciantes), com a legenda em inglês (para os intermediários) e sem a legenda (para os mais adiantados).
A ideia é praticar a fluência e por isso peço aos alunos para ligarem frases ou palavras reconhecidas dentro de um contexto.
Os alunos conseguem entender o contexto, mesmo não captando tudo o que foi dito!
É como se eles estivessem fazendo um curso de imersão no exterior.
Estudar com prazer faz a diferença!!

Boa aula!

Um grande abraço,
Maria de Fátima
profa de inglês e consultora pedagógica
marifa2006@terra.com.br